• imagens
  • imagens
  • imagens
  • imagens
  • imagens

Curso Superior de Tecnologia em Geoprocessamento

Duração do curso: 3 anos e 6 meses (7 módulos semestrais)

Horário das aulas: turno da tarde (13h às 18h)

Grau do ensino: superior

Formação concedida: Tecnólogo(a) em Geoprocessamento

Portaria de Reconhecimento: Portaria nº 363, de 07 de agosto de 2008

Publicação da Portaria: D.O.U. Nº 154, de 12/08/2008, Seção 1, pág. 24

O Geoprocessamento chegou ao Brasil, no início dos anos 80, a partir do esforço de divulgação e formação de pessoal feito pelo professor Jorge Xavier da Silva (UFRJ). A vinda, em 1982, do Dr. Roger Tomlinson, responsável pela criação do primeiro SIG (o Canadian Geographical Information System), incentivou o aparecimento de vários grupos interessados em desenvolver a tecnologia no Brasil, dentre eles: UFRJ, MaxiDATA, CPqD/Telebrás, INPE.

O Geoprocessamento incorpora tecnologias de última geração, envolvendo desde satélites de observação da Terra, técnicas de mensuração por sistemas de posicionamento GPS, até sofisticados programas e equipamentos de informática. Em nível mundial, existem vários satélites que obtêm imagens do nosso planeta tais como: LANDSAT (USA), SPOT (França), RADAR (Canadá), IKONOS (USA), CBRES (Brasil e China), etc. Além dos satélites imageadores, existem outros como: Brasil Sat (Satélite de Comunicação), GPS, GLONASS (Satélites de posicionamento terrestre).

O Curso Superior de Tecnologia em Geoprocessamento tem por objetivo geral formar profissionais com habilitação em sensoriamento remoto aptos para aplicação de técnicas para busca de soluções mais adequadas nas áreas que necessitam de mapeamento para o planejamento urbano e rural, uso da terra e meio ambiente.

    • Permitir ao profissional trabalhar com a tecnologia disponível no mercado, tais como: imagens satelitais com alta resolução, softwares relativos à cartografia, CAD e GIS, receptores GPS, etc;

    • Disponibilizar profissionais capacitados nessa área para uma demanda específica de mercado regional.

Perfil do Egresso

Geoprocessamento utiliza sistemas computacionais voltados à aquisição, armazenamento, processamento, análise e apresentação de informações sobre o meio físico referenciadas espacialmente. Dominando fundamentos de informática, cartografia, sensoriamento remoto e análise espacial, esse profissional levanta informações cartográficas de pontos específicos de determinado território, imprescindíveis às atividades de planejamento urbano e ordenação do uso do solo, levantamento de informações socioeconômicas, gerenciamento ambiental, de sistema de transportes, de processos agrícolas, entre outras.O profissional formado pelo curso Superior de Tecnologia em Geoprocessamento do IFPI, apresentará a seguinte lista de competências:

    • Atualização sistemática de cartas topográficas;

    • Cadastro urbano e rural utilizando imagens satelitais;

    • Estudos de viabilidade econômica;

    • Análises temporais de determinadas regiões;

    • Confecções de cartas-imagem;

    • Classificação supervisionais e não supervisionais;

    • Georreferenciamento de projetos;

    • Controle sistemático de culturas;

    • Levantamento radagramétricos;

    • Controles temporais de queimadas e desmatamentos.

Última atualização: Quinta-feira, 12 de maio de 2011, às 17h08
 

Forma de Ingresso

O IFPI aderiu ao Sistema de Seleção Unificada (SiSU) como metodologia de seleção de novos alunos para os cursos superiores de tecnologia, os bacharelados e as licenciaturas. Assim, o ingresso no Curso Superior de Tecnologia em Geoprocessamento estará disponível a candidatos que, tendo concluído o ensino médio e realizado o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), optou pelo curso de Geoprocessamento durante o processo de disputa de vagas pelo SiSU. São oferecidas 40 (quarenta) vagas por ano, todas com entrada no primeiro semestre.

Além do ENEM, o curso poderá oferecer vagas aos portadores de diploma de curso superior, transferência (interna e externa) e reintegração de curso. Isso ocorrerá na dependência da sobra de vagas pelo SiSU. As refereidas vagas serão oferecidas no início de cada ano letivo, mediante lançamento de Edital, geralmente publicado no site oficial do Instituto Federal do Piauí (www.ifpi.edu.br).

O prazo para o aluno matriculado concluir o Curso de Tecnologia em Geoprocessamento no IFPI é de, no mínimo, sete e, no máximo, quatorze semestres letivos, estando aí incluído o período em que a matrícula tenha estado trancada.

Última atualização: Sexta-feira, 15 de abril de 2011, às 11h02
 

Estágio Supervisionado

O estágio supervisionado corresponde a uma atividade curricular obrigatória no Curso Superior de Tecnologia em Geoprocessamento, a qual se concretiza mediante a inserção do aluno em um ambiente de trabalho, e tem por finalidade:

  1. Complementação do ensino e da aprendizagem;
  2. Adaptação psicológica e social do estudante à sua futura atividade profissional;
  3. Treinamento do estudante para facilitar sua futura absorção pelo mercado de trabalho;
  4. Orientação do estudante na escolha de sua especialização profissional.

Adicionalmente, os objetivos do estágio supervisionado são:

  1. Desenvolver a capacidade de expressão escrita dos alunos quando da redação do relatório final de estágio supervisionado. Durante a elaboração do relatório de estágio o aluno deve levar em conta as normas técnicas e clareza do texto;
  2. Propiciar aos alunos oportunidade para desenvolver sua capacidade de expressão oral durante a apresentação do Estágio Supervisionado.

O estágio supervisionado pode ser realizado em qualquer período letivo a partir do quarto período, podendo ser realizado em instituições públicas ou privadas, sob a orientação e supervisão de professores ou pessoa credenciada para tal. Para realizar estágios, o aluno interessado deve se cadastrar no SIEE (Serviço de Integração Escola-Empresa), do IFPI, localizado no bloco A do Campus Teresina-Central (telefone: (86) 3215-5201).

A carga horária mínima do Estágio Curricular é de 360 (trezentas e sessenta horas), e deverá obedecer ao Regulamento Geral de Estágio Curricular da instituição e às normas do Curso, bem como estar relacionada com as áreas de atuação do Curso Superior de Tecnologia em . Ao final do estágio, o aluno elaborará o relatório final, que será avaliado pelo professor orientador.

Última atualização: Sexta-feira, 15 de abril de 2011, às 11h03
 

Trabalho de Conclusão de Curso

A elaboração do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) é uma das competências a serem desenvolvidas pelos alunos durante a sua formação em Tecnólogo em Geoprocessamento, que requer aprimoramento contínuo e produz resultados positivos para toda a sua vida acadêmica. Pretende-se, desta forma, o estudo de uma questão bem determinada e delimitada, realizado com profundidade e de forma exaustiva, pormenorizada, sendo o tratamento escrito de um tema específico que resulte de investigação e pesquisa científica, com a finalidade de apresentar uma contribuição relevante ou original para a ciência.  

O TCC é atividade individual obrigatória, desenvolvido a partir do sexto período do Curso, com a elaboração de um Projeto de Pesquisa orientada por um docente do IFPI, e tem como resultado a redação do trabalho monográfico, com tema de relevante contribuição para a educação tecnológica.

O último semestre do Curso é destinado à realização do Trabalho de Conclusão do Curso (TCC), através da realização de uma Monografia. O objetivo deste trabalho é possibilitar a síntese e integração de conhecimentos e conteúdos adquiridos ao longo do Curso.

A avaliação do aluno é através da defesa oral do Trabalho de Conclusão do Curso por uma banca examinadora, formada pelo orientador, e dois examinadores, que podem ser o co-orientador (caso haja) e, se necessário, haverá um terceiro avaliador convidado, que atue em área relacionada ao tema abordado e tenha titulação mínima de especialista.

Última atualização: Sexta-feira, 15 de abril de 2011, às 09h36
 

Iniciação Científica

O Programa Institucional de Bolsas Acadêmicas - PIBAC, regulamentado pelo Conselho Diretor do IFPI, tem por finalidade propiciar ao aluno desenvolver habilidades inerentes à sua formação técnica e acadêmica, bem como incentivar talentos potenciais mediante sua participação em projetos, estimulando o desenvolvimento do pensar científico e da criatividade decorrente das condições propiciadas pelo confronto direto com os problemas do ensino da pesquisa e da extensão.

A Bolsa Acadêmica na modalidade de iniciação científica objetiva incentivar alunos com vocações para a área da pesquisa científica ou tecnológica, interagindo com o orientador na busca do domínio do método científico, sob coordenação da Diretoria de Pesquisa e Pós-graduação e Inovação. Essas bolsas poderão ser de natureza remunerada ou não remunerada.

Os recursos financeiros para implementação das bolsas de iniciação cientifica são provenientes do próprio IFPI. A iniciação científica tem a duração de 08 meses. As bolsas de Iniciação Científica serão concedidas a alunos regularmente matriculados em cursos de graduação do IFPI. Para concessão das bolsas, será exigido um projeto elaborado em formulário próprio, fornecido pela Diretoria de Pesquisa e Pós-graduação e Inovação.

Última atualização: Quinta-feira, 07 de abril de 2011, às 10h31
 

Monitoria

No Programa Institucional de Bolsas Acadêmicas - PIBAC, é regulamentado também a bolsa acadêmica na modalidade de monitoria, cujo objetivo é auxiliar o desenvolvimento de determinada disciplina, no aspecto teórico ou prático, visando a melhoria do processo ensino - aprendizagem e criando condições para o aperfeiçoamento de habilidades relacionadas à atividade docente, sob a coordenação da Diretoria de Ensino (DEN).

As bolsas de monitoria serão concedidas a alunos regularmente matriculados em cursos de graduação do IFPI e a seleção e realizada através de edital. Todo bolsista terá como orientador um professor do quadro efetivo do IFPI, em exercício, sendo este professor responsável, em todas as instâncias, pelo desenvolvimento das atividades programadas.

Podem se candidatar a bolsa de monitoria alunos regularmente matriculado no IFPI, desde que atendam os seguintes requisitos: Estar freqüentando regularmente o curso; ter cursado com bom aproveitamento a disciplina para o qual pleiteia a bolsa; ter concluído o primeiro módulo/série/semestre do curso para o qual pleiteia a bolsa; não ter vínculo empregatício; não possuir outra modalidade de bolsa (de outro programa do CNPq, da FAPEPI, do Instituto Federal do Piauí ou de qualquer outra agência); não estar realizando estágio remunerado; possuir disponibilidade para dedicar-se integralmente às atividades acadêmicas.

Última atualização: Quinta-feira, 07 de abril de 2011, às 10h32
 

Aproveitamento de Disciplina

A organização didática do IFPI estabelece que seja direito do aluno requerer o aproveitamento de seus estudos regulares realizados em outra instituição. Seguindo o prazo previsto no Calendário Escolar, ele pode dar entrada no processo de aproveitamento e ser dispensado de cursar a disciplina equivalente no IFPI.

Para requerer o aproveitamento de estudos, o aluno deverá ter cursado a disciplina no prazo máximo de 5 (cinco) anos, observando-se a compatibilidade de competências/conteúdos/carga-horária entre as disciplinas.

Última atualização: Quinta-feira, 07 de abril de 2011, às 10h33
 

Sistema de Avaliação

O sistema de avaliação do ensino e aprendizagem será feito durante o processo de formação do profissional por meio de provas, trabalhos em equipe, resolução de listas de exercícios, elaboração de projetos teóricos e / ou práticos, relatórios técnicos de práticas de laboratórios e de visitas técnicas, apresentação de seminários, participação efetiva e envolvimento em visitas técnicas, bem como assiduidade e compromisso durante o desenvolvimento nas outras atividades complementares.

As diversas formas de avaliação deverão ser distribuídas ao longo do período letivo contemplando todo o conteúdo programático conforme pré-estabelecido na ementa da disciplina. No IFPI, é considerado aprovado em cada disciplina o aluno que alcançar o mínimo de 7,0 pontos na soma total das notas, ou 6,0 pontos após o exame final; e 75% de freqüência às aulas e outras atividades curriculares. 

No inicio do semestre o docente deve apresentar aos alunos o programa da disciplina contendo os objetivos, ementa, conteúdo programático, formas de avaliação, tipos de atividades complementares a serem desenvolvidas, recursos didáticos utilizados durante o desenvolvimento da disciplina, bibliografia básica e complementar. O professor deve dar conhecimento do resultado das atividades avaliadas ao aluno, no prazo máximo de 20 dias corridos a contar da data de realização das atividades, exceto em casos justificáveis. O resultado final do processo de avaliação deverá ser entregue a Coordenação de Curso, e a Coordenação de Controle Acadêmico no prazo estabelecido no Calendário Escolar. 

As avaliações das disciplinas Trabalho de Conclusão de Curso, Estágio Supervisionado, e Atividades Complementares serão regulamentadas por normas específicas do IFPI.

Última atualização: Sexta-feira, 15 de abril de 2011, às 15h26
 

No Catálogo Nacional de Cursos Superiores de Tecnologia...

O tecnólogo em Geoprocessamento utiliza sistemas computacionais voltados à aquisição, armazenamento, processamento, análise e apresentação de informações sobre o meio físico referenciadas espacialmente. Dominando fundamentos de informática, cartografia, sensoriamento remoto e análise espacial, este profissional levanta informações cartográficas de pontos específicos de determinado território, imprescindíveis às atividades de planejamento urbano e ordenação do uso do solo, levantamento de informações socioeconômicas, gerenciamento ambiental, de sistemas de transporte, de processos agrícolas, entre outras.

Carga horária mínima

2.000 horas

 

Infraestrutura recomendada

Biblioteca incluindo acervo específico e atualizado
Laboratório de geoprocessamento
Laboratório de informática com programas específicos
Laboratório de topografia
Sala de desenho
Última atualização: Sexta-feira, 15 de abril de 2011, às 11h16
 

> Última atualização: Terça-feira, 14 de janeiro de 2014, às 16h29

Site desenvolvido por Rômulo Oliveira Barros

As informações contidas neste site não têm caráter oficial e não substituem as informações fornecidas pelos setores competentes do IFPI.

Valid CSS level 2.1!

Valid XHTML 1.0 Transitional!